{ De nenúfar em nenúfar :: Water lilies }


Esta é uma flor que me surpreende de cada vez que a vejo. O facto de a ver, normalmente, em lagos escuros e lodosos, faz sobressair ainda mais as suas cores e a sua beleza. 1412355_724067520955377_1378326259_oDon’t you love water lilies? Their beautiful and vibrant colors, contrasting with the usually dark and muddy waters where they grow…

{ Toyno }


Já conhecem a Toyno? Se não conhecem, passem pela página de facebook e deliciem-se.

Esta é (parte d)a família ToynoImageO Donko foi o primeiro a nascer. Cruzei-me com ele pessoalmente em Belém e confesso que me rendi ao seu encanto… Tem o ar mais ternurento do mundo.ImageE se o quiserem “vestir” a rigor para a quadra que se aproxima, é uma questão de passarem na loja para lhe comprarem umas antenas/chifres de rena e terão um deer-donko ;)donko deer

Depois apareceu o Nillo…Image

Entretanto, chegou a hora de dar as boas vindas ao pequeno Ello! Não é um doce?wellcome ElloNinguém lhe resiste :)Image

E o Giffo vem a caminho… aqui já o podem ver em protótipo em tamanho real ;)Image

Toyno

{ Imprevistos }


E tirar duas caixas do congelador para levar o almoço para o emprego, a achar que seriam lulas recheadas e puré de batata doce e afinal é carne picada com cogumelos?
É a isto que se chama programar as refeições?

Mal posso esperar por descobrir qual o menu para amanhã… Sempre uma surpresa!!

{ Ups… }


Sabem aquelas sensações estranhas… muito estranhas que nos assolam por meras fracções de segundo. Que nos deixam a pensar que algo de muito estranho acabou de acontecer?
Pois bem, ontem aconteceu-me uma destas situações.
Esta semana fomos informados de que (finalmente) vamos sair do edifício onde trabalhamos. Um edifício de 17 andares.
Hoje, eram 7h45 quando cheguei. Achei estranho o corredor ainda estar às escuras, já que o carro da minha chefe estava já estacionado à porta.
Quando entrei no meu gabinete, e o vi quase vazio, só com as secretárias, mas sem um papel, nada, achei que tinham feito a mudança de noite sem avisar!!

No segundo imediatamente seguinte apercebi-me que estava no 7º piso e não no 6º, onde “moro”!
Foto retirada da net…

{ Ainda sobre recomeçar }


Um dos primeiros passo para o tal recomeço, passa por retomar uma parte de mim há muito deixada para 2º plano (ou será para 429º plano?).

Há demasiado tempo que as minhas mão não se colam a uma agulha (a não ser para subir bainhas…); que os meus sentidos não são despertados pelos padrões e cores dos tecidos que são uma paixão;

Que o rolo de baker’s twine branco e encarnado não é desenrolado para envolver um bonito embrulho.

A escolha dos tecidos, as combinações de cores e padrões, são sempre um desafio…

É isso, a bu&bau vai voltar. De cara lavada, mas com o mesmo carinho e atenção que sempre lhe dediquei.

Deixo-vos aqui algumas das peças do passado, algumas das quais serão, sem dúvida, retomadas, noutras cores e padrões…

E não há melhor motivação para este recomeço do que dar uma grande volta no atelier, que não se mexe há demasiado tempo. Antes, estava sempre a mudar tudo do sítio, a encontrar novos sítios para cada peça e isso vai acontecer novamente. É essencial para dar início aos trabalhos.

Nada como começar, desde já, a preparar o Natal :)

Em breve numa página perto de si ;)

{ A Venda }


A Venda classifica-se como uma “Loja de coisas simples ♥”.
E toda a página confirma o conceito.
Há muito que tenho uma vontade enorme de regressar às Caldas da Rainha, uma cidade onde apenas me lembro de ter estado por questões profissionais, e já lá vão uns anos. Ainda assim, foi um local que ficou debaixo de olho pela simplicidade bonita que se sente naquelas ruas, desde o Mercado de rua ao Centro Cultural, tudo me despertou os sentidos.

Há poucos meses dei de caras com A Venda, e fiquei fã. Fiquei fã do espaço físico que quero muito conhecer, do conceito que me enche as medidas, com as peças que tanto me transportam à infância como me fazem sonhar com o futuro, com as fotos, o design.
Estou apaixonada pelas loiças. Quero as mais tradicionais:

Mas também gosto tanto destas, com linhas mais contemporâneas:

Imagino-me tão bem, no sofá, com uma chávena de chá, enroscada numa destas mantas de lã:
Os mais pequenos também se perdem nesta loja:
 
Não ficam cheios de vontade de fazer bolas de sabão?
Os mais pequenos e não só… sou particularmente apaixonada pela Maileg, aqui tão bem representados…
E quem resiste ao tradicional baker’s twine? Ainda mais agora que se aproxima aquela altura de começar a pensar nos presentes e embrulhos…
E, ainda por cima, ainda encontramos n’A Venda, os sacos mais lindos do mundo e arredores, feitos pela mais que talentosa e tão querida Zélia.
Tenho ou não tenho razões mais do que suficientes para gostar tanto deste espaço?

E, curiosamente e por mero acaso, durante algum tempo Caldas da Rainha foi o local do país onde eu (ali do outro lado) tinha mais clientes por metro quadrado :)

{ Começar do zero ou recomeçar aos quarenta… }


Por vezes apetece-me começar tudo.
Começar a partir do zero.

Tudo novo, sem a bagagem que me vem agarrada.
Casa nova, para começar.
Emprego novo.
Um outro país, quem sabe…
Vida nova.

Mas  nessa bagagem também existem pessoas, memórias e objectos que não quero largar.
E esta parte da bagagem, que é parte integrante de mim, eu quero continuar a ter por perto, junto à pele, junto ao coração.

E por isso, mais do que começar do zero, quero recomeçar aos 40. Vou fazer alterações, mudanças, em mim e no que me está agarrado. E também vou aproveitar mais. Do que tenho e do que sou.

Foto: Sol de Dezembro