{ Surpresa! }




Já comentei por aqui que Pai, Mano e Boadrasta vivem a uns milhares de km daqui.
Enquanto estão fora, eu fico encarregue de matar regar plantas e de ver a correspondência, o que implica ir lá a casa uma vez por semana.
Ontem à noite fomos lá, já tarde, e qual não é o meu espanto quando saio do elevador na garagem e me deparo com Pai e Boadrasta a entrar no elevador!!
Ficámos todos a olhar uns para os outros a perguntar “O que é que estão aqui a fazer?”
Pois, que é feriado na Albânia e o mano não tem escola na sexta feira e vai daí decidiram fazer surpresa à família!
E o engraçado é que até o mano foi surpreendido, porque até entrarem, em Veneza, no voo de ligação para Lisboa, achava que ia passar o fim de semana grande à Croácia.
Agora vai ser matar saudades e um apertar de bochechas até mais não :)
Não há nada melhor do que ter os nossos perto de nós.

{ Mimos }


No domingo tive um lanche com algumas amigas e queria levar-lhes uma pequena lembrança. Optei por fazer estas almofadas em forma de coração, para aquecer no microondas, com aroma a alfazema.
Para o lanche, fiz um bolo de iogurte com maçã, do mais básico possível:

E os habituais brioches de erva doce, canela e passas:

Uma tarde tão bem passada…

{ The sky’s on fire }


{Fotos: Sol de Dezembro}

Este foi o céu que me deu os “Bons Dias” esta manhã (e que me fez voltar a casa para ir buscar a máquina fotográfica).
Este foi o céu que, hoje, me me fez crer que as grandes mudanças que estão a bater à minha porta não têm necessariamente de ser más e que apenas tenho de retirar o melhor delas e de dar o meu melhor em tudo o que vou fazer.
Este é o desafio!
Wish me luck!

{ Laços }



Existem cheiros e sabores que me transportam no tempo e no espaço.
Um caso estranho era o de uma fábrica que existia perto da minha casa e sempre que eu lá passava, era como se tivesse 5 ou 6 anos e estivesse num sítio muito concreto em Angola. Numa cantina onde costumávamos ir almoçar, há mais de 30 anos atrás.
Com alguns pratos que eram normalmente cozinhados pela minha mãe e pela minha avó, acontece-me o mesmo. Seja com o frango de fricassé, a sopa de feijão verde ou as filhoses de batata doce. Quando como alguns destes pratos, sou transportada no tempo, para o tempo em que essas pessoas ainda me acompanhavam e cozinhavam para a família.
Hoje fiquei particularmente contente quando a mana me disse que a sopa de feijão verde com hortelã, que eu fiz e lhe levei para o jantar, teve o mesmo efeito nela e que por alguns momentos, que ela tentou prolongar, sentiu que estava a comer a sopa feita pela nossa mãe. 
Ainda mais feliz fico, porque não sou particularmente prendada a cozinhar.

{ Halloween no Museu }


Apesar do Halloween não me dizer nada, essencialmente por não passar de uma tradição importada, pela primeira vez fui “brincar” ao Halloween. Serviu de pretexto para uma noite muito bem passada no meio de amigos. O Museu da Electricidade aproveitou esta noite para chamar os lisboetas à sua casa e prometia surpresas fantasmagóricas e de deixar os cabelos em pé.

 Ainda por cima foi possível visitar a exposição do Riso que está patente no Museu (ainda que muito rapidamente, vamos voltar certamente).

{Fotos: Sol de Dezembro}

A noite ainda foi pretexto para abrir a época das castanhas.
Uma noite diferente, com gente bem disposta!