{ Obrigada! }


Existem pessoas especiais. E existem pessoas especiais pelos melhores motivos.
E Tu, ML, és uma dessas pessoas.
És uma Amiga. Uma boa e grande Amiga.
Lembro-me do primeiro contacto que tive contigo e, logo aí, do nada, surgiu o primeiro (de muitos) gesto de generosidade.
Uma generosidade totalmente desprendida. Que só podia surgir de uma alma genuinamente boa. E isso veio a confirmar-se em todos os restantes gestos, palavras e contactos.
Obrigada por seres Aquela pessoa que eu sei que está sempre presente.
Gosto de ti, miúda. Muito!
OBRIGADA
E alguns laços são criados assim.

{ Aventuras em Tirana #1 }


O Papi, actualmente na Albânia com Boadrasta e Mano Piqueno, relatou-me hoje, via skype, mais uma das suas aventuras.

Um destes dias decidiram ir passear para um parque próximo de casa. Papi, um excelente cozinheiro, ao passar por uma peixaria, decidiu ir comprar peixe para o jantar.

Ao ver um belíssimo e enorme peixe (Papi disse-me a marca do bicho, mas eu não decorei…), pediu para o cortarem, pois queria levar metade.

Uma vez que na Albânia se fala… (imagine-se!!) albanês, o funcionário não deve ter percebido bem e ia começar a cortar o peixe em filetes. Papi, sempre atento, conseguiu intervir a tempo e, agarrando num peixe pequeno e recorrendo a gestos e a uma aplicação no telemóvel ao belíssimo albanês que fala, explicou que era para cortar ao meio e que queria levar a “parte traseira” do bicho.

O funcionário, lá percebeu o pretendido e perguntou ao Papi o que ia fazer com o peixe.
O Papi, orgulhoso em mostrar os seus dotes culinários, lá explicou como o iria assar no forno, com cebola, cenouras (e outros ingredientes que me estão certamente a escapar no momento).

O Peixeiro pegou na sua faca (que pela descrição de Papi seria quase uma faca de mesa) e avisou que iria demorar um bocado a cortar o peixe. Papi acedeu e decidiu seguir o seu passeio, tendo ficado de passar lá no regresso a casa para recolher o seu meio-peixe.

Quando regressou à peixaria, 1 hora depois, uma outra funcionária avisou o Papi que em 5 minutos teria o seu peixe.

Bem dito, bem feito. Passados 5 minutos o peixeiro aparece à frente de Papi com o seu meio-peixe, já assado no forno, com cebola, cenouras e os tais outros ingredientes que Papi mencionado que pretendia usar!

Digam lá se não gostavam de ter uma peixaria assim perto de casa? Eu gostava! Papi preferia ter cozinhado, ele próprio, o bicho, claro!

{Foto retirada da net}

{ Imprevistos }


O plano para hoje incluía uma bela tarde de praia seguida de uma aula de Pump no ginásio (isto antes do belo petisco, claro!)

Mas… lembrei-me de ir dar sangue de manhã e, quando no fim me fazem as recomendação para as próximas 24h… caem os planos por terra: Não apanhar sol, não fazer esforços, não praticar desporto…

Mas a tarde foi tão boa!! Começando pelos melhores cachorros do mundo (que não estavam no sítio do costume, mas junto à praia em Cascais – por causa das Festas do Mar).

Passeio pela Cidadela de Cascais, um espaço que ficou fabuloso…

 

E depois uma visita à Casa da Guia, onde não ia há demasiado tempo. Com todo um mar à sua frente!